08/11/2017 - 19:49 - Atualizado em 14/11/2017 - 15:39

​10 de novembro: Dia Nacional de Combate à Surdez

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta: o hábito de escutar música com volume muito alto em fones de ouvido pode acarretar perda auditiva irreversível


Com o diagnóstico de perda auditiva,
o uso de aparelhos auditivos pode ser indicado

No dia 10 de novembro, especialistas brasileiros alertam sobre a importância das ações de combate e prevenção à surdez. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 1,1 bilhão de pessoas entre 12 e 35 anos de idade correm o risco de ter perdas auditivas irreversíveis porque escutam música com volume muito alto em fones de ouvido. Atualmente, problemas de audição provocados por causas diversas já afetam 360 milhões de indivíduos, dos quais 32 milhões são crianças.

A OMS define como audição normal a de pessoas que conseguem escutar sons de até 25 decibéis ou mais baixos nos dois ouvidos. Uma audição abaixo desse limiar é considerada como perda auditiva.

Causas

Segundo a Organização, as causas das perdas ou deficiências auditivas podem ser congênitas ou adquiridas. As causas congênitas são aquelas provocadas por rubéola congênita; sífilis e outras infecções durante a gravidez; nascimento abaixo do peso ideal; falta de oxigênio na hora do parto; uso inapropriado de medicamentos ao longo da gestação; e icterícia neonatal (um problema de saúde que pode danificar o nervo auditivo em recém-nascidos).

Já as causas adquiridas são aquelas ocasionadas por meningite; sarampo; caxumba; infecções crônicas no ouvido; otite média; lesões na cabeça ou no ouvido; e uso de alguns remédios, como os utilizados no tratamento de infecções neonatais, malária, câncer e tuberculoses agressivas.

Esse conjunto de fatores também inclui a exposição a quantidades excessivas de ruído — seja no espaço de trabalho, como o contato com o barulho de máquinas e explosões, seja em atividades recreativas, como escutar música em fones de ouvido por tempo prolongado e a volumes muito altos ou frequentar shows, bares e eventos esportivos.

O envelhecimento e o acúmulo de cera — ou outras partículas estranhas — também são citados pela OMS como causas adquiridas.

Uso de aparelhos auditivos

Com o diagnóstico de perda auditiva, o uso de aparelhos auditivos pode ser indicado. As próteses têm um papel importante no resgate da qualidade de vida das pessoas, pois reduzem o isolamento social e oferecem benefícios que estão muito além da reabilitação auditiva. Por isso, recomenda-se que as pessoas com perda auditiva não adiem a adaptação dos aparelhos.

Como proteger sua audição

A OMS recomenda a “escuta segura”, ou seja, práticas que protegem os ouvidos de ruídos muito altos em atividades ocupacionais ou de lazer. Segundo a agência da ONU, a “escuta segura” depende da intensidade, duração e frequência dos estímulos sonoros. O limiar de segurança definido por especialistas e pela OMS é de sons com volume de 85 decibéis, que podem ser ouvidos por um máximo de oito horas. Conforme o volume aumenta, o tempo seguro de exposição cai dramaticamente.

Por exemplo, o som produzido pelo trem do metrô — estimado em cem decibéis — pode ser escutado sem danos à saúde por apenas 15 minutos por dia.

O som produzido por aparelhos pessoas para ouvir música pode variar de 75 decibéis até 136 decibéis — o que exige dos usuários mais atenção na hora de utilizar fones de ouvido. Em boates e bares, o volume pode chegar até 112 decibéis.

Hábitos saudáveis

As práticas de “escuta segura” incluem o uso de tampões para os ouvidos, capazes de reduzir em até 45 decibéis a altura do que é escutado, e também de fones que isolam o ruído do ambiente — o que previne o usuário de smartphones ou players de MP3 de aumentar demasiadamente o volume. A OMS também sugere que as pessoas recorram a aplicativos que medem o nível de exposição a estímulos sonoros. Isso dá autonomia para que os próprios indivíduos consigam se proteger.

Confira alguns hábitos saudáveis:

1 – Respeite os intervalos de repouso sonoro quando a exposição a altos níveis de intensidade é constante;

2 – Use protetores auditivos quando recomendado, principalmente em locais de trabalho que causam risco à audição pela exposição a altos níveis de intensidade sonora;

3 – Mantenha afastados dos ouvidos objetos pontiagudos;

4 – Use o cotonete para limpeza do excesso de cera na parte mais externa do ouvido e para secar a orelha (jamais deve ser introduzido no canal);

5 – Evite a automedicação;

6 – Evite a exposição prolongada a sons em forte intensidade. Para isso, controle o volume do seu MP3, TV ou som do carro.


Por: Comunicação/Postal Saúde
Fontes: ONU Brasil
Direito de ouvir – aparelhos auditivos

Leia também: A importância do teste da orelhinha para recém-nascidos