06/05/2018 - 09:00 - Atualizado em 07/05/2018 - 18:42

Doença psicossomática: sintomas, causas e principais exemplos

Geralmente, uma pessoa com doença psicossomática está frequentemente em consultas médicas ou prontos-socorros

A somatização é um transtorno psiquiátrico em que a pessoa apresenta múltiplas queixas físicas, localizadas em diversos órgãos do corpo, como dor, diarreia, tremores e falta de ar, mas que não são explicadas por nenhuma doença ou alteração clínica. Geralmente, uma pessoa com doença psicossomática está frequentemente em consultas médicas ou prontos-socorros devido a estes sintomas, e o médico costuma ter dificuldade em encontrar a causa.

Essa situação também é chamada de transtorno de somatização, e é comum em pessoas ansiosas e depressivas, por isso, para o adequado tratamento é fundamental a realização de psicoterapia, além do acompanhamento com o psiquiatra, que poderá indicar medicamentos como antidepressivos e ansiolíticos para ajudar a aliviar o problema.

Sintomas psicossomáticos mais comuns:

Cada pessoa pode manifestar fisicamente as suas tensões emocionais em diferentes órgãos, podendo simular ou piorar muitas doenças. Os principais exemplos são:

Estômago: dor e queimação no estômago, sensação de enjoo, piora de gastrites e úlceras gástricas;

Intestino: diarreia, prisão de ventre;

Garganta: sensação de nó na garganta, irritações mais fáceis constantes na garganta e amígdalas;

Pulmões: sensações de falta de ar e sufocamento, podendo simular doenças pulmonares ou cardíacas;

Músculos e articulações: tensão, contraturas e dores musculares;

Coração e circulação: sensação de dores no peito, que pode até ser confundida com infarto, além de palpitações, surgimento ou piora da pressão alta;

Rins e bexiga: sensação de dor ou dificuldade para urinar, que pode imitar doenças urológicas;

Pele: coceira, ardência ou formigamentos;

Região íntima: piora da impotência e diminuição do desejo sexual, dificuldade para engravidar e alterações do ciclo menstrual;

Sistema nervoso: crises de dor de cabeça, enxaqueca, alterações da visão, do equilíbrio, da sensibilidade (dormências, formigamentos) e da motricidade, podendo simular doenças neurológicas.

A pessoa com transtorno de somatização pode sofrer por muitos meses ou anos com estes sintomas até que se descubra a causa. Confira mais os sintomas que podem surgir nas doenças psicossomáticas.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico de uma doença psicossomática deve ser feito por um psiquiatra, mas um clínico geral ou outro especialista podem apontar esta possibilidade, porque excluem a presença de outras doenças através do exame físico e de laboratório.

A presença dos principais sintomas ajuda a identificar o problema, e são coração acelerado, tremores, boca seca, sensação de falta de ar e de nó na garganta, e podem ser mais ou menos intensos de acordo com piora ou melhora do estado emocional de cada pessoa. Para confirmar este transtorno, o médico irá identificar na sua avaliação a existência de pelo menos 4 sintomas, sendo que os mais comuns são os gastrointestinais, os que imitam doenças neurológicas ou que afeta a região íntima.


O que causa a doença psicossomática

Existem diversas situações que facilitam o desenvolvimento da somatização, como depressão, ansiedade e estresse. As pessoas mais afetadas são as que sofrem situações como:

• desgaste profissional e carga horária de trabalho exagerada – afetam, principalmente pessoas que trabalham com o público, como professores, vendedores e profissionais de saúde, mas estudantes e desempregados também podem sofrer com estas complicações;

• trauma na infância ou após acontecimentos marcantes, além de conflitos de família são algumas situações que podem deixar a pessoa com medo e desmotivada para seguir em frente;

• situações de violência psicológica e de desmotivação, como acontece nos casos de violência doméstica e bullying;

• muita ansiedade e tristeza em pessoas que não compartilham ou conversam sobre seus problemas.

Não procurar tratamento para estas situações, por dificuldade em buscar ajuda ou por achar que é uma situação normal, pode agravar os sintomas ou causar doenças físicas.

Tratamento

O tratamento para estas doenças pode envolver o uso de medicamentos como analgésicos, anti-inflamatórios e anti-histamínicos para aliviar seus sintomas, no entanto, é importante o acompanhamento de um psicólogo ou psiquiatra, para aprender a controlar as emoções, e tratar a verdadeira causa do problema.

Antidepressivos, como sertralina ou fluoxetina, e ansiolíticos, como clonazepam, por exemplo, prescritos pelo psiquiatra, ajudam a acalmar e diminuir a ansiedade, e sessões de psicoterapia são importantes para ajudar na resolução de conflitos internos.

Algumas medidas simples e naturais também podem ajudar a lidar com os problemas emocionais, como tomar chás calmantes de camomila e valeriana, tirar férias para descansar a mente e procurar resolver um problema de cada vez. Fazer algum tipo de exercício físico como caminhada, corrida, yoga ou pilates também pode ajudar a liberar endorfinas na corrente sanguínea promovendo o bem-estar.


Publicado por: Comunicação/Postal Saúde
Fonte: Drª. Elaine Aires (clínica geral), do site Tua Saúde
Foto: Stock Photos