07/08/2017 - 16:17 - Atualizado em 08/08/2017 - 13:18

​Postal 24h – orientações que podem salvar vidas

Ao receber a videochamada ou a ligação telefônica, muitos problemas de saúde são identificados a tempo pela equipe de profissionais, que imediatamente dá o encaminhamento adequado para o caso, evitando com isso a evolução ou possível agravamento do quadro clínico

Recém-aposentado, o beneficiário Fernando Gomes de Almeida, 60 anos, decidiu aproveitar essa nova fase da vida para viajar com a mulher, Mariângela Moreira Machado, 61. Moradores de Brasília (DF) durante o tempo em que o empregado trabalhava nos Correios, eles resolveram mudar para Recife (PE), onde têm familiares e amigos, e revezar o tempo de moradia entre uma cidade e outra, já que também têm filhos na capital federal.

No mês de maio, decidiram passar uma semana de férias em São Paulo. Tudo corria bem quando, ao sair de uma loja, Mariângela torceu o tornozelo, mesmo estando de tênis. Os dois ficaram preocupados, pois não conheciam ninguém na cidade, nem tinham referência de hospital ou clínica para o atendimento de emergência. “Ficamos paralisados, sem saber o que fazer em uma cidade grande e desconhecida”, conta Fernando, que tem a mulher como dependente no plano de saúde.

Foi quando ele se lembrou de que havia baixado o aplicativo Postal 24h horas no celular. “Voltamos para o hotel para deixar as compras e, como a dor estava aumentado, fizemos uma vídeochamada para o serviço Postal 24h. A enfermeira fez muitas perguntas e pediu para ver a imagem do pé torcido”, recorda Fernando.


Fernando acionou o Postal 24h para a mulher, Mariângela, que torceu o tornozelo


Calma — Mariângela então recebeu algumas orientações, como não forçar o pé e procurar a emergência do hospital mais próximo do hotel. “Eu estava nervosa, mas quando a enfermeira conversou comigo fiquei mais tranquila, por ser a orientação de uma profissional, que entende do assunto. Além disso, ela pediu para eu mostrar o pé, e isso me acalmou”.

Mariângela (que não quis ser fotografada) diz que, nessas horas, as pessoas mais próximas dão palpites e muitos deles são equivocados, podendo até mesmo piorar o quadro do paciente. No hospital, o diagnóstico foi mais sério do que parecia. A ressonância magnética acusou fratura de um osso do tornozelo, com comprometimento de ligamentos, tendões e cartilagens.

O tratamento recomendado foi 30 dias com gesso (sem colocar os pés no chão) e outros 30 dias com a bota ortopédica. Depois, a fisioterapia. O ortopedista recomendou 20 sessões de fisioterapia e 10 de hidroterapia. “Já fiz 10 sessões de fisioterapia e, passados mais de 60 dias, o tornozelo continua inchado. Agora estou usando um estabilizador para o tornozelo”, afirma Mariângela, que se viu obrigada a dar uma pausa nas viagens.

Segurança — Foi essa segurança que acalmou os nervos do atendente comercial dos Correios, Josenildo Oliveira da Silva, 49 anos, quando ele também realizou uma videochamada para o Postal 24h, há cerca de um mês.

Lotado na Agência dos Correios do Gama (AC/Gama), ele trabalha das 8h às 17h. Há algum tempo, já vinha sentindo falta de ar e uma sensação de cansaço. Um dia, porém, quando voltava do trabalho para casa, esses sintomas aumentaram e ele realmente ficou preocupado.

Nesse momento, lembrou-se de que o irmão, que também é empregado dos Correios, o havia informado sobre o aplicativo, que ele não hesitou em baixar no celular. “Liguei para o serviço e expliquei o que estava sentindo. A enfermeira pediu para eu me acalmar, fez muitas perguntas, passou algumas recomendações e, em seguida, pediu para eu procurar a emergência de um hospital”, conta Josenildo.


Josenildo sofreu uma crise de bronquite asmática e acionou o Postal 24h


Recomendações — Uma das recomendações foi para ele não conduzir automóvel e ir ao hospital em companhia de alguém. “Então chamei minha filha, que me levou para a emergência. Lá, os médicos disseram que se tratava de uma crise de bronquite asmática”.

Josenildo relata que o serviço passa calma e segurança. “A enfermeira que me atendeu me passou muita tranquilidade. Eu estava nervoso com a falta de ar”, diz o empregado, que há mais de 20 anos não sofria de bronquite asmática. “Esse serviço pode salvar muitas vidas”, completa.

Salvando vidas — A enfermeira-coordenadora do Postal 24h, Lais de Jesus, concorda com a afirmação de Josenildo. Segundo ela, apesar de o serviço ser orientativo (pois não dá diagnósticos, nem prescreve medicamentes), ele pode, sim, salvar vidas. “A equipe não pode dar diagnóstico, mas o treinamento das enfermeiras, amparado pelo sistema de algoritmos que é utilizado, identificará se o caso deve ser encaminhado para um atendimento emergencial ou não”.

Lais, enfermeira-coordenadora do Postal 24h: "O serviço está preparado
para os encaminhamentos adequados"


No caso de Josenildo, por exemplo, quanto mais ele ficava nervoso, mais sentia falta de ar. “Nessa situação, a orientação da enfermeira ajuda o paciente a se acalmar e a melhorar a respiração, o que evitará complicações maiores”, explica Lais.

Além disso, às vezes quem procura o serviço, por ser leigo, não consegue perceber a gravidade do problema, recusando-se mesmo a procurar o hospital. “Nesses casos, nós temos que implorar à pessoa para buscar um atendimento emergencial, explicando que o caso é grave. Nessa situação, o serviço também pode salvar uma vida”.

Lais conta que há casos mais sérios que ela já atendeu, nesse sentido. Embora não tenha ocorrido no Postal 24h, o exemplo serve para ilustrar a importância das orientações dadas pela equipe do serviço remoto, que funciona pelo aplicativo baixado no celular.

“Um dia uma mãe nos ligou porque sua filha de 4 anos havia sido picada por uma abelha. As mãos da criança estavam roxas e nós percebemos que a situação era grave e que a mãe deveria levá-la imediatamente para um hospital. Tivemos que convencê-la porque ela achava que não era necessário, que “ia passar”. Chegando no hospital, o médico falou que se o atendimento demorasse um pouco mais a criança poderia ter morrido, pois ela era alérgica a picada de abelha”, recorda a enfermeira.

Aprovação — O recém-aposentado Fernando e sua mulher Mariângela aprovaram o atendimento do Postal 24h. “Fomos bem atendidos. O serviço, além de nos dar orientações corretas e seguras, acaba nos tranquilizando”, garante Fernando, com a anuência da esposa.

Também satisfeito com o atendimento, Josenildo diz que recomenda o aplicativo para os colegas. “O serviço pode identificar muitos problemas de saúde, inclusive aqueles mais graves, e encaminhar a pessoa a tempo para o hospital”, conclui.


Serviço:

Postal 24h: disponível para usuários do Distrito Federal

Como usar: instale o aplicativo em seu celular, disponível no Google Play ou Apple Store. Faça uma videochamada ou utilize o chat para se comunicar com a equipe de plantão.

Ou ligue para 0800 881 1020, caso não consiga acessar o serviço via internet.

Horário de funcionamento: 24 horas, de domingo a domingo.

Leia também: Usuários do Postal 24h aprovam atendimento

Leia também: Postal 24h, sua clínica de plantãoostal 24 horas, sua clínica de plantão

Leia também: Entrevista com a médica Renata Zobaran – “Utilizem o Postal 24h sempre que necessário”

Leia também: Postal 24h - Entrevista com Lais de Jesus, enfermeira-coordenadora do serviço