+ Conteúdo :: Notícias dos Correios

22/05/2018 - 16:31 - Atualizado em 22/05/2018 - 16:37

Correios vão ampliar e modernizar canais de atendimento, afirma presidente

Objetivo é melhorar a qualidade da rede de atendimento da empresa, a partir da criação de novos canais físicos e digitais


Audiência pública na Comissão de Direitos Humanos

O presidente dos Correios, Carlos Fortner, apresentou o projeto do novo modelo de atendimento da empresa durante audiência pública no Senado realizada na última quinta-feira (17). Segundo o dirigente, o principal objetivo da proposta é ampliar e melhorar a qualidade da rede de atendimento dos Correios, a partir da criação de novos canais físicos e digitais. Preveem-se modelos diferenciados, mais enxutos, eficientes e adequados à demanda de cada mercado, sem descuidar das obrigações constitucionais da presença dos Correios em cada um dos 5.570 municípios brasileiros.

“O foco é melhorar o atendimento ao cliente, a partir de canais mais dinâmicos, ágeis, e modernos, inspirados nas melhores práticas de correios do mundo. Além disso, o estudo prevê a ampliação da rede física, de 12,7 mil para cerca de 15 mil pontos de atendimento em todo o país, além de novos serviços de logística customizada, com maior valor agregado”, ressaltou Fortner.

Baseado em exemplos bem-sucedidos mundialmente, o estudo realizado pela consultoria Accenture propõe oito novos formatos de canais físicos de atendimento, que incluem desde as agências tradicionais até unidades móveis e quiosques de atendimento instalados em comércios locais (para atender regiões remotas e de baixa demanda, por exemplo). A implantação se dará em etapas, previstas para serem concluídas em até cinco anos. A empresa também aposta em atendimento digital, por meio de aplicativos eletrônicos e de pré-atendimento, para facilitar a vida do cliente dos Correios.

De acordo com o presidente dos Correios, essa e outras iniciativas em curso na empresa se apoiam no tripé da busca contínua pela qualidade, da sustentabilidade econômico-financeira da empresa e da consolidação da presença permanente dos Correios em cada município brasileiro.

Em relação ao encerramento das atividades de algumas agências, Fortner esclareceu que os Correios ainda estudam minuciosamente o assunto. “Não vamos desativar nenhuma agência sem a certeza técnica de cada justificativa. Em nenhuma hipótese o cliente será prejudicado. Ao contrário, vamos criar novas formas de atendê-lo, com canais que ofereçam maior resultado e geração de valor, tanto para os Correios quanto para a sociedade”, reforçou.

Ainda segundo o presidente, para garantir a universalização do atendimento da empresa algumas agências, embora deficitárias, serão mantidas. “Os Correios estão presentes em todos os 5.570 municípios do Brasil, isso é uma obrigação constitucional. É parte da nossa missão atender a população como um todo”, ressaltou.

Respeito ao empregado

Para o presidente, o objetivo é que Correios voltem a crescer e que não seja preciso demitir nenhum empregado, ao contrário, que a empresa tenha demanda que justifique a necessidade de contratar. “De todo modo, antes de se cogitar a possibilidade de demissão, se for necessário, o empregado terá opção de ser realocado, cedido ou aderir a um plano de desligamento incentivado. Eu serei o primeiro a zelar pelo respeito ao empregado e pelo cumprimento da lei. Nenhum empregado será demitido neste ano em razão do novo modelo da rede de atendimento”, garantiu.

Recuperação econômica

Durante a audiência pública, o dirigente se posicionou contrário à privatização da empresa. “Para mim, os Correios não são privatizáveis; ao contrário, a empresa tem um potencial enorme, presta um serviço público importante para o país, é um agente de integração nacional, com história e reputação”, pontuou.

Fortner também ressaltou os sinais de recuperação econômica da empresa, que em 2017 apresentou lucro contábil de R$ de 667 milhões, após quatro anos consecutivos de prejuízo. “Isso mostra uma reversão do rumo que a empresa estava tomando. E a grande notícia é que, para o ano de 2018, começamos a enxergar os primeiros sinais de lucro operacional”, comemorou.


Fonte: Blog dos Correios
Foto: Pedro França/Agência Senado