Central do credenciado

Atenção prestadores! Campanha traça o perfil de empresas fornecedoras de OPME

Postado por Filipe em 06 Sep 2016 10:17

A POSTAL SAÚDE, desde 21 de abril de 2016, assumiu integralmente as atividades de cotação e compra de Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPME). Por isso, é importante conhecer melhor e estreitar o relacionamento com a rede de fornecedores (OPME).

Reconhecendo a importância da sua empresa dentro desta rede, gostaríamos de conhecê-lo melhor. Para isto, pedimos atenção especial para o questionário a seguir, para traçarmos o perfil atualizado de sua empresa. Responder corretamente pode representar uma relação de parceria de muito tempo.

1) Quais são as especialidades atendidas pela empresa?

2) Em quais estados sua empresa atua?

3) Quais marcas sua empresa representa?

O acesso está disponível no ícone “Editar dados cadastrais”, no link http://www.portalunidassaude.com.br.


Elegibilidade deve ser feita pelo número do CIB e não pelo nome do beneficiário

Postado por Filipe em 05 Sep 2016 17:33

Prezados credenciados,

A Postal Saúde informa que a elegibilidade dos beneficiários deverá ser realizada exclusivamente pelo número do Cartão de Identificação do Beneficiário (CIB) – sob nenhuma hipótese deve ser pelo nome do beneficiário.

Tal medida se deve aos inúmeros casos de erro na cobrança do compartilhamento por causa de beneficiários homônimos. Adotando a elegibilidade pelo número do CIB, elimina-se esta possibilidade.

Caso o beneficiário não esteja em posse do CIB, solicite que ele:

  • Entre em contato com a Central de Atendimento (0800 888 8116) para acessar o número do cartão; ou
  • Acesse o aplicativo da Postal Saúde para celular, que possui uma versão digital do CIB; ou
  • Acesse a área restrita do beneficiário no site da operadora, também para acessar uma versão provisória do CIB.

O beneficiário deve, obrigatoriamente, apresentar documento com foto para identificação.

Adequação nas cobranças dos atendimentos de Fisiatria, Medicina Física e Reabilitação e Fisioterapia

Postado por Filipe em 29 Aug 2016 16:41

Prezado Prestador,

Considerando a necessidade de regularização das solicitações de autorizações dos eventos da especialidade de Fisioterapia, realizamos a parametrização no sistema operacional da Postal Saúde, visando somente a liberação dos códigos, conforme tabela abaixo:

Conforme estabelece o Conselho Federal de Medicina (CFM), a Fisiatria é considerada uma área de atuação. Assim, os credenciados desta área foram readequados para a especialidade Medicina Física e Reabilitação e devem solicitar as autorizações nos códigos iniciados em 2 para reabilitações/sessões e atendimentos terapêuticos, conforme exemplo abaixo:

Faturamento Eletrônico de Guias

Postado por em 07 Jul 2016 09:08

Considerando a necessidade de regularização das contas apresentadas à esta Caixa de Assistência, bem como visando atender às normas da Troca de Informações em Saúde Suplementar (TISS) da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), apresentamos considerações básicas quanto ao faturamento eletrônico dos procedimentos em saúde, que garantirão qualidade no processamento de contas assistenciais:

1. O processo de cobrança pela ferramenta eletrônica não elimina o envio de documentação física, de modo que reforçamos a necessidade de que em cada envelope conste a relação documental sequenciada abaixo:



a) formulário protocolo eletrônico;
b) formulário capa de lote preenchido e assinado com a identificação do Recebedor (CNPJ ou CPF e NOME);
c) documento fiscal (caso o Prestador não seja optante pela modalidade PRÉ FATURAMENTO);
d) documentação complementar cabível (guia de solicitação de internação, pedido e/ou relatório médicos; relatórios de profissionais não médicos; detalhamento de materiais e/ou medicamentos, relatórios de auditoria externa);
e) para cobrança de procedimentos seriados envio de assinaturas unitárias por sessão realizada; e
f) fica dispensado o envio da guia de cobrança do padrão TISS com as mesmas informações contidas no arquivo XML, visto que este já a substitui, desde que o credenciado cumpra a exigência do item d acima e apondo a assinatura do beneficiário em documento xerox da identificação da carteirinha e documento com foto ou guia TISS de comprovante presencial, modelo disponível no site da POSTAL SAÚDE.

2.Toda documentação física correspondente ao faturamento deve ser endereçada para CAIXA POSTAL 1044 - Carapicuíba - São Paulo, CEP 06326-970, incorrendo em atraso de processamento se o faturamento for endereçado para outra localidade.

3.Os arquivos eletrônicos sem a correspondente documentação física não serão aproveitados para efeito de processamento e posterior pagamento.

4.Para adequação à Terminologia Unificada de Saúde Suplementar (TUSS) determinada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), conforme RN nº 305 de outubro de 2012, reforçamos que a POSTAL SAÚDE a partir de 1/1/2016 desabilitou os códigos próprios de consultas e visitas, para os quais deverão ser adotados as codificações TUSS, com maiores detalhes visualizados nos links:

5. Preferencialmente utilizar a versão mais atual da TISS padrão ANS (versão 3.02.01) com preenchimento de todos os campos obrigatórios estabelecidos no padrão, sendo imprescindível utilizar corretamente o código da tabela de domínio relacionada ao evento cobrado (TUSS, SIMPRO, BRASÍNDICE ou OPME).

6. Para envio de versão anterior à atual (3.02.01), é necessário que o Credenciado siga o padrão da ANS em conformidade com a versão utilizada, sujeito a indisponibilidade da versão a qualquer tempo realizada pela POSTAL SAÚDE.

7. A informação no arquivo XML do Código da Tabela de Domínio deve ser objeto de rigoroso preenchimento, visto que a não especificação da tabela correspondente ocasionará o pagamento dos serviços de forma incorreta, por isso destacamos:

CÓD TABELA

DESCRIÇÃO

VERSÃO TISS

TABELA

UTILIZAÇÃO

18

Terminologia de diárias, taxas e gases medicinais

2.02 e 3.02 e suas variações

TUSS

Utilizar códigos TUSS

19

Terminologia de Materiais e Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPME)

2.02 e 3.02 e suas variações

TUSS

Utilizar códigos TUSS versão 3.02.01, seguido por codificação da tabela comercial SIMPRO (uso de 10 dígitos – preenchimento com zeros à esquerda)

20

Terminologia de medicamentos

2.02 e 3.02 e suas variações

TUSS

Utilizar códigos TUSS versão 3.02.01, seguido por codificação da tabela comercial BRASÍNDICE (uso de 10 dígitos – preenchimento com zeros à esquerda)

00

Tabela própria operadora

2.02 e 3.02 e suas variações

NÃO TUSS

Utilizar códigos de negociação prévia diferenciada para material, medicamento, procedimento e eventos em saúde

16

Terminologia de procedimentos e eventos em saúde

anterior a 3.02 e suas variações

TUSS

Utilizar códigos TUSS

22

Terminologia de procedimentos e eventos em saúde

3.02 e suas variações

TUSS

Utilizar códigos TUSS

98

Tabela própria de pacotes procedimentos médicos

2.02 e 3.02 e suas variações

TUSS

Utilizar código dos procedimentos e preço do pacote. A não especificação da tabela (98) no arquivo XML ocasionará o processamento apenas pelo valor individual do honorário ou taxa e não dos itens agrupados em pacote, incorrendo, portanto, em glosa.


​Regularização de senhas para solicitações de urgência e emergência

Postado por Filipe em 24 May 2016 15:22

Para orientá-lo sobre o processo de regularização de senhas referentes às solicitações de urgência e emergência, a Postal Saúde dispõe, no Manual do Credenciado, as informações necessárias quanto à dispensa de senha prévia para essas situações. Também estão disponíveis a possibilidade de avaliação da elegibilidade do beneficiário, além do registro e obtenção de protocolo dessas ocorrências.

De acordo com o Manual do Credenciado:

“Em se tratando de atendimentos ou internações por urgência ou emergência, o credenciado deverá, no 1º dia útil subsequente ao atendimento comunicar a ocorrência à Postal Saúde, obtendo senha para os procedimentos que se fazem necessários.

Caso o atendimento seja de natureza cirúrgica, o credenciado deve inserir os documentos médicos relacionados aos eventos, em até 03 dias, inclusive, justificativa para o uso de Órteses, Próteses ou Materiais Especiais Implantáveis (OPME), seguido de descrição de suas características.

O credenciado não poderá em nenhuma hipótese aguardar qualquer tipo de autorização para prestar o atendimento, este deverá ser prestado de imediato, desde que sejam configuradas a urgência ou emergência do caso, visto que essa atitude estaria caracterizando descumprimento da Legislação vigente.

As situações de urgência e/ou emergência são facilmente reconhecíveis tecnicamente, portanto, os casos que não estejam enquadrados nas categorias citadas não poderão ser reconhecidos como tal”.

Nos casos de urgência e emergência, conforme disposto na Lei nº 9.656/98, em seu artigo 2º, revogado pela Medida Provisória Nº 2.177-44, de 24 de agosto de 2001, em seu artigo 35-C, estabelece que “É obrigatória a cobertura do atendimento nos casos:

I – de emergência, como tal definidos os que implicarem risco imediato de vida ou de lesões irreparáveis para o paciente, caracterizada em declaração do médico assistente; e

II – de urgência, assim entendidos os resultantes de acidentes pessoais ou de complicações no processo gestacional”.

Dessa forma, para fins de regulação, fica estabelecido que não haverá qualquer tipo de análise prévia, ou seja, nenhum tipo de regulação assistencial para as solicitações definidas pelo médico assistente como sendo de urgência e/ou emergência. Assim, a resposta para esse tipo de solicitação seguirá o seguinte texto padrão:

“Conforme disposto em regulação própria da Lei nº 9.656/98, em seu artigo 2º, revogado pela Medida Provisória Nº 2.177-44, de 24 de agosto de 2001, em seu artigo 35-C, é vedado utilizar mecanismos de regulação em situações caracterizadas como de urgência ou emergência. Assim sendo, os procedimentos e materiais, caso venham a ser utilizados, estão liberados provisoriamente, no entanto, para regularização da senha, o prestador deverá enviar as documentações médicas comprobatórias do atendimento que justifiquem sua realização, no período de até 3 dias subsequentes após a efetivação dos procedimentos, para análise e validação pela regulação médica.

Ressaltamos que a cobertura e pertinência técnica dos procedimentos realizados e materiais utilizados serão avaliadas posteriormente pela auditoria, à luz da pertinência técnica diante do quadro clínico do beneficiário”.

Dessa maneira, o prestador receberá, via sistema, a guia com a liberação do procedimento como sendo de urgência e/ou emergência. Ressaltamos que a Postal Saúde preza pela atenção e atuação da preservação da vida. Assim, a resposta para procedimentos de urgência e emergência deve ser imediata, seguindo o prazo estabelecido na RN nº259/2011 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e, sendo assim, reafirmamos que a situação não carecerá de regulação pregressa.

​15 de maio - Dia Nacional do Controle das Infecções Hospitalares

Postado por Filipe em 16 May 2016 17:15

Um dos critérios para considerar a excelência de atendimento em um estabelecimento de saúde é o controle das infecções hospitalares. O dia 15 de maio foi instituído pelo Ministério da Saúde como o Dia Nacional do Controle das Infecções Hospitalares e tem como objetivo destacar a importância deste tema, sugerindo ações de conscientização e de prevenção.

É fundamental lembrar que os cuidados com o controle de infecções têm como objetivo principal aumentar a segurança do paciente, dos visitantes e dos próprios trabalhadores. Estes profissionais devem adotar normas e procedimentos seguros para evitar transmissão de germes, e estas medidas podem ser mais simples do que imaginamos.

Os equipamentos individuais, por exemplo, são essenciais para a manutenção da segurança em ambientes hospitalares - ou em qualquer estabelecimento que lide com a saúde das pessoas. Luvas, aventais e máscaras são os itens elementares nesse processo. Eles impedem o contato direto com superfícies contaminadas e evitam a transmissões diretamente entre as pessoas.

Os próprios medicamentos também devem ser tratados com cuidado. A atenção à validade e às formas de armazenamento garantem que nenhum efeito indesejado aconteça aos pacientes. Além disso, a própria aplicação deve ser controlada, a fim de evitar a criação de problemas como resistência bacteriana.

O serviço de controle de infecção hospitalar pode ser visto como uma assessoria permanente. Além disso, é importante lembrar que aprimorar o atendimento não é, necessariamente, uma fiscalização. Em vez disso, ela deve ser vista como um compromisso natural dos profissionais com o ambiente de trabalho.

A Postal Saúde escolheu ressaltar a higienização das mãos como atitude preventiva, pois é uma das formas mais simples de evitar vários tipos de doenças, principalmente infecções, e salvar vidas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) instituiu o dia 05 de maio como Dia Mundial da Higienização das Mãos, quando incentiva campanhas de conscientização para profissionais da saúde e para a população. Em 2016 a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) participou das campanhas e publicou mais informações, além de gráficos que mostram as formas adequadas de higienização das mãos.

Confira aqui as maneiras corretas de higienizar as mãos.


4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12