+ Conteúdo :: Notícias dos Correios

05/09/2017 - 10:41 - Atualizado em 18/09/2017 - 11:43

Correios cresce 9% no segmento de encomendas após nova Política Comercial

Três meses após lançarem sua nova Política Comercial, os Correios comemoram o crescimento no volume de encomendas postadas pelos clientes. Os resultados mostram que não houve perda de mercado pela empresa com a extinção do serviço e-SEDEX. Os envios nos quais antes era utilizada essa modalidade de entrega foram absorvidos pelo PAC e pelo SEDEX e ainda houve crescimento de 9%. O número foi apresentado nesta segunda-feira, 4/9, em encontro realizado pela empresa com os principais players e entidades do comércio eletrônico brasileiro, em São Paulo.

“A Política Comercial lançada este ano tem se mostrado um sucesso. Não só mantivemos nossa liderança de mercado no e-commerce, como ampliamos nosso volume e faturamento de encomendas. Foi uma decisão acertada e muito focada no comércio eletrônico”, ressaltou o presidente dos Correios, Guilherme Campos.

Na ocasião, a empresa também apresentou as novas soluções que estão em desenvolvimento e devem melhorar a experiência de quem compra e vende pela internet, como novos recursos na ferramenta Entrega Interativa, que atualmente permite ao cliente receber alertas SMS com os status da encomenda; além das soluções alternativas de entrega, que visam diminuir as tentativas frustradas ou atrasos, como a ampliação do serviço Clique Retire, que já está habilitado para 7 mil agências, sendo 120 delas com horário estendido.

Os empresários também foram apresentados ao planejamento da Operação Black Friday, que irá garantir o aumento da capacidade dos Correios para atender ao volume dessa importante data comercial. Para isso, serão contratados recursos adicionais, como mão de obra extra e novas linhas de transporte, além de reforço nas ações de gerenciamento de risco da carga e um investimento de R$ 182 milhões na ampliação dos sistemas automatizados de triagem. A expectativa é que a Black Friday gere um aumento de demanda de 20% para os Correios.



Fonte: Blog dos Correios