26/06/2018 - 16:45 - Atualizado em 18/07/2018 - 16:13

​Saiba o que são as Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) e como evitar o contágio

Quem tem relação sexual desprotegida pode contrair uma IST, que é causada por vírus, bactérias ou outros microrganismos



O uso da camisinha masculina ou feminina é o mais importante meio de prevenção
das infecções sexualmente transmissíveis

As Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) ocorrem, principalmente, por meio do contato sexual (oral, vaginal, anal) sem o uso de camisinha masculina ou feminina, com uma pessoa que esteja infectada. A transmissão de uma IST pode acontecer, ainda, da mãe para a criança durante a gestação, o parto ou a amamentação.

O tratamento das pessoas com IST melhora a qualidade de vida e interrompe a cadeia de transmissão dessas infecções. O atendimento e o tratamento são gratuitos nos serviços de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

A terminologia Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) passou a ser adotada em substituição à expressão Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), porque destaca a possibilidade de uma pessoa ter e transmitir uma infecção, mesmo sem sinais e sintomas.

Sintomas das IST

Como se manifestam as IST?

As IST podem se manifestar por meio de feridas, corrimentos ou verrugas anogenitais. São alguns exemplos de IST: herpes genital, sífilis, gonorreia, infecção pelo HIV, infecção pelo Papilomavírus Humano (HPV), hepatites virais B e C.

A IST aparece, principalmente, no órgão genital, mas pode surgir também em outra parte do corpo (ex.: palma das mãos, olhos, língua).

O corpo deve ser observado durante a higiene pessoal, o que pode ajudar a identificar uma IST no estágio inicial. Sempre que se perceber algum sinal ou algum sintoma, deve-se procurar o serviço de saúde. E, quando indicado, avisar ao parceiro ou parceira sexual.

São três as principais manifestações clínicas das IST

Corrimentos

• Aparecem no pênis, vagina ou ânus.

• Podem ser esbranquiçados, esverdeados ou amarelados, dependendo da IST.

• Podem ter cheiro forte e/ou causar coceira.

• Provocam dor ao urinar ou durante a relação sexual.

• Nas mulheres, quando é pouco, o corrimento só é visto em exames ginecológicos.

• Podem se manifestar na gonorreia, clamídia e tricomoníase.

Importante! A vaginose bacteriana e a candidíase vulvovaginal também causam corrimento, mas não são consideradas IST.

Feridas

• Aparecem nos órgãos genitais ou em qualquer parte do corpo, com ou sem dor.

• Podem ser manifestações da sífilis, herpes genital, cancroide, donovanose e linfogranuloma venéreo.

Verrugas anogenitais

• São causadas pelo Papilomavírus Humano (HPV) e podem aparecer em forma de couve-flor, quando a infecção está em estágio avançado.

• Em geral, não doem, mas pode ocorrer irritação ou coceira.


HIV/aids e hepatites virais B e C

• Além das IST que causam corrimentos, feridas e verrugas anogenitais, existem as infecções pelo HIV e pelas hepatites virais B e C, causadas por vírus, com sinais e sintomas específicos.

Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

• É outra forma de manifestação clínica das IST.

• Decorre de gonorreia e clamídia não tratadas.

• Atinge os órgãos genitais internos da mulher (útero, trompas e ovários), causando inflamações.

Algumas IST podem não apresentar sinais e sintomas e se não forem diagnosticadas e tratadas podem levar a graves complicações, como infertilidade, câncer ou até morte.

Como é a prevenção das IST

O uso da camisinha (masculina ou feminina) em todas as relações sexuais (orais, anais e vaginais) é o método mais eficaz para evitar a transmissão das IST, do HIV/aids e das hepatites virais B e C. Serve também para evitar a gravidez.

A camisinha masculina ou feminina pode ser retirada gratuitamente nas unidades de saúde. Quem tem relação sexual desprotegida pode contrair uma IST. Não importa idade, estado civil, classe social, identidade de gênero, orientação sexual, credo ou religião. A pessoa pode estar aparentemente saudável, mas pode estar infectada por uma IST.

A prevenção combinada abrange o uso da camisinha masculina ou feminina, ações de prevenção, diagnóstico e tratamento das IST, testagem para HIV, sífilis e hepatites virais B e C, profilaxia pós-exposição ao HIV, imunização para HPV e hepatite B, prevenção da transmissão vertical de HIV, sífilis e hepatite B, tratamento antirretroviral para todas as PVHA, redução de danos, entre outros.

Por que alertar o parceiro

O controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) não ocorre somente com o tratamento de quem busca ajuda nos serviços de saúde. Para interromper a transmissão dessas infecções e evitar a reinfecção, é fundamental que as parcerias também sejam testadas e tratadas, com orientação de um profissional de saúde.

As parcerias sexuais devem ser alertadas sempre que uma IST for diagnosticada. É importante a informação sobre as formas de contágio, o risco de infecção, a necessidade de atendimento em uma unidade de saúde, as medidas de prevenção e tratamento (ex.: relação sexual com uso de camisinha masculina ou feminina até que a parceria seja tratada e orientada).


Fonte: Ministério da Saúde

(Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais)
Foto: Stock Photos