página principal > Dicas da Postal Saúde

Campanha de Vacinação contra Gripe e Sarampo prossegue até 3 de junho

Devem ser vacinadas crianças com idade entre 6 meses e menores de 5 anos, além de outros grupos prioritários. Confira:

5 de maio de 2022 - Atualizado em 5 de maio de 2022

Prossegue até o dia 3 de junho a segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe e o  Sarampo, deflagrada pelo Ministério da Saúde no útimo dia 2 de maio.

Nesta nova fase, os pontos de vacinação estarão abertos para receber crianças com idades entre 6 meses e menores de 5 anos (4 anos, 11 meses e 29 dias) e o público de outros grupos prioritários.

Cerca de 50 mil pontos espalhados pelo Brasil estão preparados para receber os 77,9 milhões de brasileiros que fazem parte do público-alvo da mobilização contra a influenza.

Além da população infantil, gestantes e puérperas, povos indígenas, professores da rede ensino pública e privada, pessoas com comorbidades e outros públicos também devem se vacinar contra a gripe.

Vale lembrar que as crianças precisam receber, além da vacina contra a Influenza, o imunizante contra o Sarampo. Não há necessidade de cumprir intervalo para a aplicação das doses. Dessa forma, as duas vacinas poderão ser administradas no mesmo dia. Desde a primeira etapa, os profissionais de saúde também podem atualizar a carteira de vacinação com vacina tríplice viral. A campanha vai até o dia 3 de junho em todo o País.

Cabe ressaltar que idosos e trabalhadores de saúde que não se vacinaram na primeira etapa da mobilização serão atendidos na segunda fase.

A orientação do Ministério da Saúde é que o público de todos os grupos prioritários busque os postos de vacinação para que o Brasil tenha alta cobertura vacinal. O objetivo da campanha é interromper a circulação do sarampo e prevenir o surgimento de complicações decorrentes da gripe, evitando novos óbitos e possível pressão sobre o sistema de saúde.

Confira os grupos que serão atendidos:

2ª etapa – de 02/05 a 03/06
• Crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias) – sarampo e influenza;
• Gestantes e puérperas;
• Povos indígenas;
• Professores;
• Comorbidades;
• Pessoas com deficiência permanente;
• Forças de segurança e salvamento e Forças Armadas;
• Caminhoneiros e trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso;
• Trabalhadores portuários;
• Funcionários do sistema prisional;
• Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas;
• População privada de liberdade.

Vacina trivalente

A vacina Influenza trivalente utilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é produzida pelo Instituto Butantan. A formulação é constantemente atualizada para que a dose seja efetiva na proteção contra as novas cepas do vírus. A vacina será eficaz contra as cepas H1N1, H3N2 e tipo B.

Vacinação de crianças

Para crianças de seis meses a menores de 5 anos, que já receberam ao menos uma dose da vacina Influenza ao longo da vida em anos anteriores, deve se considerar o esquema vacinal com a apenas uma dose em 2022. Já para as crianças que serão vacinadas pela primeira vez, a orientação é agendar a segunda dose da vacina contra gripe para 30 dias após a primeira dose.

Baixa cobertura vacinal de crianças

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) fez um alerta sobre a baixa cobertura vacinal de crianças, que pode abrir espaço para o retorno de doenças como o sarampo e a poliomielite.

Em entrevista à CNN, a oficial de saúde do Unicef no Brasil, Stéphanie Amaral, destacou que a queda tem sido percebida desde 2015.

“A cobertura da pólio, por exemplo, chegava a quase 100% em 2015, em 2019 teve queda para 84% e em 2021 caiu muito mais drasticamente, para 67%. Isso é muito preocupante porque estamos correndo risco de que essas doenças voltem, elas têm gravidade e podem levar à mortalidade, a pólio traz a paralisia infantil e também a morte. É uma situação agravada que a gente precisa reverter não podemos aceitar que crianças morram e sofram por doenças facilmente preveníveis por vacinas”, enfatiza.


Fontes: Ministério da Saúde e CNN Brasil
Foto: Dreamstime