página principal > Dicas da Postal Saúde

Escarlatina: conheça os sintomas e como tratar

São Paulo registra surto da doença, que afeta normalmente crianças em idade escolar

23 de novembro de 2023 - Atualizado em 23 de novembro de 2023

O estado de São Paulo passa por uma alta de casos de escarlatina, uma condição infecciosa e contagiosa causada pela bactéria Estreptococo do tipo A, que normalmente afeta crianças em idade escolar. É a mesma bactéria que causa amidalite, artrite, pneumonia, endocardite, impetigo e erisipela.

A maioria das pessoas que tem uma infecção de garganta provocada pela bactéria não desenvolve escarlatina. Porém, cerca de 10% são sensíveis às toxinas liberadas por ela e podem desenvolver a doença, que provoca pequenas manchas vermelhas que se misturam na pele.

A transmissão ocorre pelo contato direto com a saliva ou a secreção nasal de pessoas doentes ou aquelas que têm a bactéria, mas não apresentam sinais da enfermidade. Esse contato pode ser tanto por gotículas expelidas na tosse ou espirro, como por beijo, objetos compartilhados, como copos ou mãos que tocaram partículas contaminadas e foram levadas ao nariz ou boca.

O período de incubação pode variar de 1 a 10 dias.

Sintomas

– Início repentino com calafrios e febre alta nos primeiros dias, que vai baixando aos poucos nos dias seguintes até desaparecer;

– Dor de garganta intensa;

– Pequenas manchas na pele de cor vermelho-escarlate, ásperas, que aparecem inicialmente no tronco, depois tomam a face, o pescoço, os membros, axilas e virilha, mas poupam as palmas das mãos, as plantas dos pés e ao redor da boca. Nas dobras de pele, como cotovelos, punhos, axilas e joelhos, as manchas podem ser mais escuras e descamam com o decorrer da doença;

– Na língua surgem caroços avermelhados recobertos com uma película parecida com um plástico branco amarelado. Essa película posteriormente se desfaz e a pele adquire o aspecto de framboesa, porque as papilas incham e ficam arroxeadas;

– Mal-estar;

– Falta de apetite;

– Aumento dos gânglios do pescoço;

– Dor no corpo, de barriga e de cabeça;

– Náuseas e vômitos.

Tratamento

O tratamento é bastante simples, feito com antibióticos receitados por médico. Medicamentos para dor e febre são úteis para aliviar os sintomas. É importante ser diagnosticado e iniciar imediatamente o tratamento para evitar complicações que podem ser graves e para diminuir a sua ocorrência.

Algumas complicações, como otites, meningite e sinusites podem surgir enquanto a pessoa estiver doente. Outras, mais graves, como reumatismo infeccioso e problemas nos rins, podem se manifestar bem depois, quando a doença já parece curada.

Recomendações

– Levar o doente ao médico para esclarecer o diagnóstico assim que ele apresentar mal-estar, dor de garganta e febre;

– Manter o doente em casa, em repouso, até estar curado completamente;

– Oferecer ao paciente alimentos leves, fáceis de engolir e muito líquido;

– Crianças com escarlatina devem ser afastadas da escola por pelo menos 24 horas após o início do tratamento para evitar o contágio e permitir o repouso.

Mesmo pessoas sem sintomas podem transmitir a doença. Dessa forma, todos aqueles que têm contato próximo com o paciente devem ser examinados para que se descubra se estão ou não com a bactéria responsável pela infecção.

IMPORTANTE: Somente médicos e cirurgiões-dentistas devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo.


Fontes: Biblioteca virtual do Ministério da Saúde, O Globo

Foto: Divulgação/Ministério da Saúde