página principal > Dicas da Postal Saúde

OMS alerta sobre riscos para a saúde do uso de adoçantes artificiais

Comunicado da Organização Mundial de Saúde informa que consumo do produto não oferece benefícios significativos em longo prazo

25 de maio de 2023 - Atualizado em 25 de maio de 2023

A Organização Mundial da Saúde (OMS) desaconselha o uso de adoçantes sem açúcar para perda de peso.  A diretriz publicada pela organização, divulgada nesta na terça-feira (16/05), afirma que o consumo destes produtos não oferece benefícios significativos a longo prazo para reduzir a gordura corporal em adultos ou crianças.

Os adoçantes que substituem o açúcar tampouco ajudariam a reduzir o risco de doenças não transmissíveis (DNTs), como câncer ou diabetes, segundo o relatório. A OMS alerta que, na verdade, o uso prolongado de adoçantes aumentaria o risco de diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e morte prematura em adultos.

Isso se aplicaria a todos os adoçantes sem açúcar, da sacarina e sucralose à stevia, incluindo aqueles usados em alimentos e bebidas, como os refrigerantes “light” ou “zero”.

Sem valor nutricional

Os adoçantes sem açúcar “não são fatores dietéticos essenciais e carecem de valor nutricional”, disse Francesco Branca, diretor de Nutrição e Segurança Alimentar da OMS, em comunicado.

A organização recomenda, em vez de substituir o açúcar por outros produtos, eliminar totalmente e desde cedo o consumo de bebidas e alimentos com sabores doces, com exceção de frutas.

Essas recomendações são dirigidas a todas as pessoas, exceto aquelas com diabetes pré-existente, segundo a OMS.

Não se aplicam, no entanto, aos adoçantes contidos em alguns medicamentos e produtos de cuidado e higiene pessoal, como pastas de dente e cremes para a pele, nem aos açúcares de baixo teor calórico e aos álcoois de açúcar (polióis).

A OMS incluiu essa recomendação em um conjunto de diretrizes para “estabelecer hábitos alimentares saudáveis ​​ao longo da vida, melhorar a qualidade da dieta e diminuir o risco de doenças não transmissíveis em todo o mundo”, afirma o comunicado.


Fonte: BBC News Mundo
Foto: 123rf