página principal > Falta de exercício físico gera nova ameaça mundial, alerta estudo

Falta de exercício físico gera nova ameaça mundial, alerta estudo

 

Fazer exercício físico ou praticar algum esporte traz benefícios enormes, não só em nível físico, mas também mental. Reduz o risco de sofrer doenças cardiovasculares, a pressão arterial e o estresse, ajuda a controlar o colesterol e nos faz descansar melhor. Entretanto, nos últimos anos a luta contra o sedentarismo se estagnou, conforme publicou a revista The Lancet em uma série de três artigos sobre o tema. Em nível global, os problemas decorrentes da falta de exercício físico e o sedentarismo são responsáveis por mais de cinco milhões de mortes por ano, além de acarretarem gastos sanitários superiores a 280 bilhões de reais ―dos quais mais de 160 bilhões provêm do setor público.

Os dois primeiros estudos se centram nos jovens de até 24 anos e nas pessoas com alguma deficiência, dois grupos populacionais cruciais. O primeiro, pelo triplo benefício gerado pela prática esportiva: ter uma melhor saúde hoje, no futuro e na geração seguinte. No caso das pessoas com deficiências, elas enfrentam maior risco de sofrer problemas cardíacos, diabetes ou obesidade, por isso fazer atividade física é uma forma simples de se proteger. O terceiro trabalho analisa as políticas esportivas que acompanharam a realização dos Jogos Olímpicos nos últimos anos e o efeito que tiveram na rotina dos cidadãos do país onde elas ocorreram.

Segundo a publicação, o nível de atividade física nos adolescentes permanece estagnado desde 2012, e 80% dos jovens não seguem a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de fazer uma hora de exercício físico por dia. Cerca de 40% dos estudantes nunca vão a pé para a escola, e 25% passam mais de três horas por dia sentados depois de assistirem às aulas e fazerem a lição de casa.

O estudo também analisa o uso de telas entre os jovens de 38 países europeus: em média, 60% dos meninos e 56% das meninas passam mais de duas horas por dia vendo televisão, e 51% dos meninos e 33% das meninas dedicam mais de duas horas por dia a jogar videogame. Para Esther van Sluijs, autora desse primeiro estudo, “os dados sugerem que o uso de telas está substituindo outras atividades sedentárias, como ler livros e revistas ou ouvir rádio, mas não necessariamente substitui a atividade física”.

Os problemas decorrentes da falta de exercício físico e o sedentarismo são responsáveis por mais de cinco milhões de mortes por ano, além de acarretarem gastos sanitários superiores a 280 bilhões de reais com saúde.

No caso das pessoas portadoras de deficiência, os pesquisadores determinaram que sua chance de não seguir as recomendações sobre a atividade física diária são entre 16% e 62% maiores. É uma margem grande, que depende da renda nacional, do sexo e do nível e quantidade de deficiências de cada indivíduo. “Precisamos de mais estudos centrados em pessoas com deficiências, assim como políticas concretas e coesivas para assegurar que os direitos destas pessoas se mantenham e que se permita a elas participar de atividades físicas”, diz em nota Kathleen Martin Ginis, da Universidade da Colúmbia Britânica (Canadá) e uma das autoras.

O trabalho lamenta que os grandes eventos esportivos (principalmente os Jogos Olímpicos, embora também se mencione a Eurocopa e a Copa América de futebol realizadas há poucas semanas) não sejam usados pelos países organizadores para promover a prática esportiva por parte da população. Com exceção dos Jogos de 2008 em Pequim (China) e os de Inverno de 1998 em Nagano (Japão), em nenhum país organizador a participação popular em atividades esportivas cresceu. “Os grandes eventos fazem as pessoas se interessarem por exercício, mas alguns podem achar que esse esporte está acima das suas capacidades ou das suas habilidades, por isso temos que oferecer programas para pessoas de todas as idades e níveis de atividade”, propõe Adrian Bauman, pesquisador da Universidade de Sydney (Austrália) e um dos autores desse trabalho.

 

A The Lancet também menciona a pandemia como uma oportunidade perdida para o esporte. Apesar de ter se tornado uma atividade essencial em alguns países durante o confinamento, os governos não aproveitaram esse interesse crescente. “As primeiras campanhas governamentais durante a pandemia da covid-19 motivavam o público a sair e fazer exercício. Por que então os governos não podem se comprometer a promover a atividade física como uma necessidade humana essencial, além e independentemente da covid-19?”, pergunta-se o artigo.

Jesús del Pozo, professor de Atividade Física da Universidade de Sevilha (Espanha), atribui esse estancamento à digitalização dos últimos anos. “Basicamente vivemos uma revolução tecnológica na qual intensificamos o uso de telas, e isso implica que estamos intensificando o nível de sedentarismo”, diz. Para o pesquisador, este problema vem de longe, embora tenha se acentuado com a covid-19. “As crianças passam pelo menos seis ou sete horas sentadas”, diz. “O ser humano não foi desenhado para ficar sentado, e nós desenvolvemos nossas vidas nos baseando no sedentarismo”, conclui.

Para Del Pozo, este estudo é um chamado de atenção ao mundo científico para apontar os rumos dos próximos estudos. “Não existem evidências de como se produz a transição quando você passa de adolescente para adulto, nem quais estratégias deveríamos seguir”, aponta o pesquisador. Del Pozo também sugere revisar as recomendações da OMS: “Talvez seja preciso voltar a estudar o impacto dessas diretrizes em termos de saúde. Não está tão claro que se você tiver 18 anos e fizer mais de 150 minutos de atividade física moderada por semana isso terá um impacto positivo na saúde.”


Fonte do texto: El País
Fotos: Dreamstime