página principal > Ministério da Saúde adverte:  Mais de 8,5 milhões de brasileiros ainda não foram tomar a segunda dose da vacina covid-19

Ministério da Saúde adverte:  Mais de 8,5 milhões de brasileiros ainda não foram tomar a segunda dose da vacina covid-19

Dizem que brasileiro deixa sempre para última hora, mas quando o assunto é vacinar-se contra a Covid-19 esse tema precisa ser levado a sério, mas muito a sério. Enquanto 52,9 milhões de brasileiros cumpriram o seu papel e completaram o esquema vacinal, mais de 8,5 milhões de “atrasadinhos” deixaram de voltar ao posto de vacinação para receber a segunda dose.

No ranking nacional dos estados com o maior número de pessoas que iniciaram o esquema vacinal e não terminaram estão São Paulo, com 1,69 milhão; Rio de Janeiro, com 1,06 milhão; e Minas Gerais, com 1,02 milhão, respectivamente. Vale lembrar que estudos comprovam que apenas com as duas doses a pessoa garante a maior efetividade na imunização.

Quem já recebeu a segunda dose da vacina fala do alívio que é estar completamente vacinado. Quem conclui o esquema vacinal fala que se sente mais seguro de voltar à vida normal aos poucos, mesmo ainda cumprindo com todos os cuidados como uso de máscara, distanciamento social e higiene das mãos.

Eu acho muito triste quem ainda não foi receber a segunda dose. Tantos gostariam de já estar vacinado. Sem falar nas pessoas que perderam alguém por essa doença. Acho que falta um pouco mais consciência. Se tiver oportunidade vacine-se”, contou Bianca Abdelnor, moradora da cidade de Botucatu, interior de São Paulo.

“Sei que vai levar um tempo para voltar ao normal. Mas estar vacinada traz esperança. Não ter tanto medo de se relacionar com as pessoas, do nosso cotidiano. Porque a gente estava com medo de ir à escola, à faculdade, se infectar e levar o vírus para dentro de casa. Agora sentimos mais segurança”, destacou a estudante Bárbara Helena.

Segunda dose aumenta anticorpos contra o vírus  

Para o médico infectologista, mestre em medicina tropical e saúde internacional, Victor Bertollo, a segunda dose da vacina Covid-19 aumenta a resposta imune na produção de anticorpos contra o vírus. Ele lembra ainda que as vacinas são seguras, o que foi demonstrado por estudos mesmo antes da introdução dos imunizantes no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

“O risco de apresentar formas graves pela Covid-19, após a segunda dose, se reduz significativamente. Então, completar o esquema vacinal é extremamente importante. Lembrando que as vacinas não protegem apenas o vacinado, mas também as pessoas ao seu redor. Então, se vacinar é ato individual de proteção, mas também coletivo. É um ato que todos saem ganhando”, destacou Bertollo.

“Vacina boa é vacina no braço”

Segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, todos os agentes imunizantes disponíveis no PNI são extremamente eficazes, efetivos e aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa. Para ele, vacina boa é a vacina aplicada no braço do povo brasileiro.

“Tenho me portado de maneira absolutamente isonômica em relação aos quatro imunizantes que estão disponíveis aos brasileiros. Já avançamos muito na vacinação, mas precisamos do apoio de quem ainda não foi receber a segunda dose, que compareça ao posto de vacinação. Assim, vamos poder avançar ainda mais”, contou o ministro.

Efeitos colaterais da vacina

Entre os motivos de a população não retornar ao posto para tomar a segunda dose estão os efeitos colaterais relatados. Há quem tenha sentido sintomas como dores de cabeça e no corpo, febre, ou qualquer outro desconforto. Mas especialistas garantem que os efeitos da segunda dose são mais leves e autolimitados.

“A ocorrência de eventos adversos não impede que a pessoa receba a segunda dose. Apenas alguns eventos adversos muito específicos, que são bastante raros, de fato contraindicam doses adicionais das vacinas. Para algumas vacinas, como AstraZeneca e Coronavac, a tendência é que as reações sejam mais leves na segunda aplicação. Para a vacina Pfizer, especificamente, ela tem um pouco mais de reação adversa na segunda dose, mas ainda assim são eventos leves e autolimitados”, contou Vitor.

Para algumas vacinas, como AstraZeneca e Coronavac, a tendência é que as reações sejam mais leves na segunda aplicação. Para a vacina Pfizer, especificamente, ela tem um pouco mais de reação adversa na segunda dose, mas ainda assim são eventos leves e autolimitados” – Victor Bertollo, médico infectologista.

“Mesmo vacinada, a pessoa ainda corre o risco se infectar com a variante Delta, mas a tendência é que ela tenha a forma mais leve da doença. Além disso, as vacinas reduzem muito o risco de a pessoa ter a forma mais grave da doença e vir a precisar ser internada, precisar de UTI ou mesmo morrer pela a Covid-19”, alertou.


Fonte: Ministério da Saúde
Foto: Dreamstime