página principal > Postal Saúde lança projeto para disseminar cultura de compliance e integridade na Operadora

Postal Saúde lança projeto para disseminar cultura de compliance e integridade na Operadora

A Postal Saúde, por meio da Secretaria de Governança (SEGOV), realizou nesta sexta-feira (22/3), na Sede da Operadora, o primeiro Encontro do Projeto “Descomplica Compliance”, com participação de colaboradores das áreas da Presidência e das três diretorias:  DIAFI (Diretoria Administrativa e Financeira), DIOPE (Diretoria Operações de Saúde) e DIREL (Diretoria de Produtos, Mercado e Relacionamento).

O principal propósito dessa iniciativa é promover a disseminação de informações entre as diversas áreas da Operadora, visando conscientizar todos os colaboradores sobre a sua responsabilidade individual na garantia da lisura, da transparência e da integridade nos processos da Postal Saúde.

Neste primeiro encontro, o tema central abordado  foi o combate às fraudes, um assunto de grande relevância e muito debatido no setor de saúde suplementar.

“Nosso objetivo é instaurar uma cultura de compliance e integridade na Postal Saúde, envolvendo todos os participantes dos processos da Operadora — colaboradores, beneficiários, prestadores de serviços e fornecedores   — para aprimorar os processos, reduzir os riscos de fraudes e trabalhar  em busca dos melhores resultados, sempre fundamentados em normativos externos e internos, além de uma conduta ética e transparente”, frisou Simara Rodrigues, gerente da Secretaria de Governança da Postal Saúde.

Prevenção

Durante a apresentação, conduzida pela equipe da Coordenação de Integridade (COINT) da Operadora, subordinada à Secretaria de Governança, foi destacado como o combate às fraudes se tornou um desafio significativo para garantir a sustentabilidade do setor de saúde suplementar.

“Nosso desafio principal é agir preventivamente contra as fraudes. Ao adotar uma abordagem preventiva, a Postal Saúde pode identificar potenciais vulnerabilidades, brechas ou padrões suspeitos antes que eles se transformem em fraudes reais. Isso pode ajudar a evitar perdas financeiras, danos à reputação e outros impactos negativos significativos” , pontuou a coordenadora de Integridade da Postal Saúde, Anna Karla Barnabe Matos.  E em caso de ocorrência de infrações, todo o trabalho da área de compliance é voltado para corrigir a fraude e estabelecer mecanismos seguros para impedir que ela se repita.

A equipe da COINT ressaltou que o combate à corrupção é um tema global, sendo incluído no Pacto Global como o Objetivo 16.5 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), com a diretriz de “reduzir sistematicamente a corrupção e o suborno em todas as formas”.

Avanços

No Brasil, um avanço importante foi a promulgação da Lei 12.846/2013, conhecida como Lei Anticorrupção, que trata da responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos de corrupção contra a administração pública, nacional ou estrangeira.

Apesar da existência da legislação e outros mecanismos de controle adotados pelas entidades que operam no setor, o mercado de saúde suplementar brasileiro registrou, em 2022, um prejuízo de R$ 11,5 bilhões em fraudes, o maior dos últimos 20 anos.

 

 

 

Participaram do encontro colaboradores da Presidência e das diretorias da Postal Saúde

 

Políticas da Postal Saúde 

A Postal Saúde adota mecanismos rigorosos de combate a  fraudes e à corrupção, por meio de normativos, programas e políticas, como o  Programa de Integridade, Código de Conduta e Integridade , as Políticas Anticorrupção, de Diligência e de Prevenção à Lavagem de Dinheiro.

“Todos os contratos da Postal Saúde, tanto assistenciais quanto administrativos, incluem cláusulas anticorrupção e de segurança e proteção de dados ”, informou Simone Severo, analista da COINT.

Entre as fraudes mais comuns no setor de saúde suplementar destacam-se: reembolsos indevidos, pedidos indevidos de materiais, internações desnecessárias e prolongadas, compartilhamento de carteirinha, faturamento fraudulento, fracionamento de recibos, uso de dados pessoais de terceiros e judicialização.

“É responsabilidade de cada um de nós ficar atento para detectar qualquer sinal de fraude ou irregularidade nos nossos processos e, nesse caso, acionar a área de compliance da Operadora para que todas as providências sejam tomadas”, orientou Simara Rodrigues.

No final da apresentação, os participantes compartilharam “cases”, com exemplos de como as irregularidades podem ser prevenidas e combatidas com a vigilância de todos que trabalham na Postal Saúde.

Equipe da Coordenação de Integridade da Postal Saúde: prevenir fraudes antes que aconteçam

Filiais    

A partir do segundo semestre, o Projeto Descomplica Compliance será estendido para todas as filiais da Operadora.  “O objetivo é que todos os colaborares tenham acesso a essas informações e tomem consciência do papel que desempenham nesse processo”, enfatizou Simara.

Cronograma

O Descomplica Compliance contará com sete encontros ao longo do ano, trazendo grupos e temáticas distintas.  Para os meses de abril, maio e junho estão previstos os temas Políticas de LGPD na Prática, Política de Anticorrupção e Compartilhamento na LGPD.


Por: Gerência de Comunicação da Postal Saúde
Fotos: Postal Saúde